Domingo, 7 de Dezembro de 2014

Psiu

image.jpg

By Rui De Nilo.

I

à cada instante és mais distância. à cada chamada és mais ausência. à cada palavra és mais lonjura. à cada tu que me conquista sou menos eu que se te aproxima. à cada confissão do meu amor é mais de ti que me fascina... mas é tanto de mim que me subtrais. tanto de ti que desconheço em meu dentro. tanto o que se esvai entre os dedos ... a espera que a tua mão côncava me recolha aos teus olhos. e enfim vejas, quanto de mim é teu... tanto pouco o que me sobra para que te possa dizer: estou aqui... a tua espera! Na verdade, estou aí, a espera aqui, que o que resta de mim recolhas em teus braços...

II

Quando no teu tempo houver um espaço para o beijo de um vento como eu, diz "psiu!". Enquanto isso, vou andar por aí. A assobiar por entre as frestas das portas, a estampar-me contra janelas e transeuntes, a farejar as copas das árvores e as flores do meu jardim que nunca receberás, a assoprar casais de namorados entrelaçados à bancos de jardim, ansiosos para um abraço terno... O mesmo que de ti, queria fosse meu.

"Tanto sem mim para sermos tudo. Só em ti. Apenas por amor. Sabes, mulher?!... O amor só vale a pena se for para doer"

Teresa Cândida. Psiu! Sou teu!

RdN 19h34m 13/09/2014

sinto-me: Do avesso do mundo.
música: Adele

publicado por Lancelote às 00:11
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Julho de 2014

Por trás das palavras

Foto: Ricardo Alves

 

que segredos há em ti

que não deixam que se apague o teu tempo em mim?

que consentem que esvoaces e me sussurres ainda... demorada.

 

(tempo meu, vento teu...)

 

que tracejos cinzelaste

que não deixam

que se apaguem os teus rastos em mim?

 

que pecados irredimíveis me escondo

que me condenam a esta sina?

a que encantos submeteste-me

para que definhe tanto assim

 

(sem oração nem santo que me valha)

 

aos teus olhos

aos teus pés... defronte aos meus...

sempre teu e ateu a tantos outros amores!

 

 

Alvalade

 

 

Ruy de Nilo

sinto-me:
música: Creed

publicado por Lancelote às 20:42
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

Por amor

 

 

Deixa a noite escorregar nesse vão de breu azul.

Deixa o tempo esvair-se nesse ralo de tempo.

Deixa que cada gota seja um dilúvio em teus braços.

 

Quando chegar a dor eu vou sorrir de amor.

Vou voar no mundo e adormecer nos teus lábios.

Roubar momentos. Trajar o anoitecer no delinear dos teus olhos.

Adormecer pecados. Traçar as rotas de amar-te. Morder-te os seios.

 

Deixa que eu te alveje por dentro. Te ame como errante.

Deixa-me rastos que te almejem.

Deixa o vento ludibriar-nos à mesa e acostumar-nos aos contos,

porque hoje tem um luar que luareja em demasia.

 

‘’Se te amasse como vivo por te alcançar

O sol tardaria todo amanha’’.

 

 

RdN

Luanda

21.02.2012

00h22

 

Para a Candy… minha mulher. Minha vida!

 

 

 

sinto-me:
música: Tom Jobim: Desafinado

publicado por Lancelote às 21:50
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2012

Desencontros

Desencontros

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Autor: Antonio Ramos

 

 

Tanto me almejei que abdiquei de uma paixão por um grande amor.

De tanto me alhear perdi a poesia.

Escorregou-me pelo furo da algibeira.

Talvez nas valetas por onde andei.

Talvez por tanto amor em tao pouco desamor. Do peito só um suspiro. 

 

Descasquei-me de outra vida. Repeti-me em palavras.

Moldei-as entre os dentes.

Enrosquei-me, bem juntinho, ao pé do mundo.

Amadureci o rasto que me deixou o teu piscar de olhos.

 

Por tanto tempo andei em contramão em direcção a mim.

 

Nada foi tão verdadeiro como a paixão pela poesia e os poemas.

Nada é tão doloroso como a mímica das palavras.

A irreverência do súbito.

Nada é tão obstinado como a palavra que transparece a alma.

Que decalca o contorno.

 

Na paixão nada é  tão abrupto como a busca.

Nada é  mais longe que a quietude do silêncio.

Então de onde me vem tanta solidão?

Tanto de mim comigo que só existo eu em mim?

 

À cada sorriso, por viver um grande amor é com menos dor que me dou por paixão.

 

Já e tarde.

Os frangalhos de galhos gemem o vagaroso do vento, vacilando o gesto.

Será que é por dentro que me escrevo ou apenas me ausento lento?

Já me basta. É tua a madrugada que ameaça chuva.

É tua a lágrima que escorregou o rímel.

 

São teus os pedaços de tempo que envelheceram as palavras,

que enrugam os anos. Sou teu.

Serão  teus os beijos que profiro nos versos.

Serão tuas as madrugadas que vigio.

 

Por quem mais vou tão longe?

 

Ruy de Nilo (RdN)

14.02.2012

00h45m

Zango

sinto-me:
música: Depeche Mode

publicado por Lancelote às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

Faltas-me

 

 
Foto: Jana Lorca (1000imagens.com)
 
 
no meu percurso, por vezes, encontro travessões.
autênticos pecadilhos que me fazem mais alma
infindáveis horas que se atropelam no teu olhar indiferente.
mas tu esqueces-te que todo mundo sabe…
grita que somos perpétuas constelações da mesma galáxia nua.
 
chocalho os passos trémulos (simples transeuntes).
agora acredito... estou ausente do teu pensamento.
mesmo que a cidade ao redor se inundasse com o meu nome,
para ti, eu sempre nasci com a alma partida
 
por vezes sinto-me impotente de me trocar de pele
para ser o teu meu.
intransigentemente teu, quase sempre nunca eu!
 
Outras, paras-me o tempo e assobias-me um vento,
soprando-me para a imensidão desse mundo ausente de ti.
por favor, ao menos devolve-me uma asa
e assopra-me para a distância.
sinto-me só. tudo parece imenso… faltas-me.
 
faltas-me… no abraço faltas-me.
sinto esvair-me, diluir-me incrustado à arestas.
desgastar-me de tanto usar-me para ser teu.
falta-me o teu toque, o teu gesto
 
contornas-me o arrepio na espinha,
mas o certo é que sempre confundo.
já não sei se fui eu que me perdi ou fui eu que te encontrei.
 
mesmo assim, eu sei que ainda andas por aí.
descalça soletrando cada mosaico da sala,
distraída acariciando pedaços das paredes da casa,
perpétua inundando o quarto com o teu perfume,
só não sei onde me escondes… apenas vivo de sinais teus.
 
sou teu, mais do que a pertença de qualquer corpo à alma,
mais do que a pertença das palavras à folha,
mais do que aquela madrugada em que dançamos à chuva,
mais do que no crepúsculo em que te disse… amo-te!
 
Mais… muito mais.
muito mais do que à cada gesto em que um novo gesto se abre,
faltas-me.

 

sinto-me:
música: Estampado - Ana Carolina

publicado por Lancelote às 17:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

Ausência

Foto: Guilherme Limas

 

já não tenho o rito de encarreirar palavras
nascê-las em mim e faze-las navegar por rios de tinta.
já não tenho a nostalgia a destapar uma pestana do crepúsculo
desfolhar o entardecer entrançado entre a geometria de sombras de persianas velhas
encravadas nas pálpebras das janelas de um casebre
 
já não tenho o caiar do cheiro nas paredes graffitadas de relentos
mostrá-las minhas, confessá-las tuas (ainda é-me difícil não falar de ti)
transparecer o mesmo olhar numa outra vida
gritar por outra voz o mesmo grito
amachucar a alma para que me caiba noutro corpo
 
amordaço a vida para que não me doa além, num outro passo.
sem mares nem ares que me corroam… esvoaço.
livre na gávea de um mastro sobre ondas de veludo
gritando para dentro de mim um sopro que não me doeu ali.
o rito de bajular a vida é o mesmo de adejar a liberdade do aceno
 
se ao menos hoje ainda te pudesse ter mesmo que aos pedaços,
por frestas a borboletares-me na liturgia das estações do ano.
se ao menos hoje não paralisasse no Inverno em que partiste,
e ao menos o gesto parasse e estagnasse naquele último beijo
eu incrustaria o momento no tempo para que não me doesse um ano inteiro.
 
 
 
Palavras vindas de um sopro ao ouvido
que boiaram leves como um beijo,
quietas como uma recordação
numa manhã aposentada no entreposto de uma vida.
Toca-me enquanto ainda vivo.
 
RdN
29/04/2008
Cidadela
10h48m

 

sinto-me: ???
música: The Cure - Boys Don´t Cry

publicado por Lancelote às 08:25
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

Enquanto há

 

Maria Eugénia Pontes

 

há poemas que me amanhecem

encostados à um balcão no fio do luar.

há poemas que me adormecem sonhando o equilíbrio das insónias,

coçadas de velhas de tanto amadurecerem à cabeceira dos teus olhos.

 

há traços aflitos no costume das ondas,

saliências no brusco dos passos.

há pedras no fundo que medem um palmo de riso,

remando a saudade na quietude do gesto.

 

há ventos com tranças que trespassam como lanças;

persistências remendadas na rebentação

deste mar a brincar de agrilhoar as estrelas.

há gritos que suportam silêncios velhos como assobios;

soletram a vastidão da intermitência de um arco-íris

que se escoa pelo ralo de um dedo.

 

há gritos sem equilíbrio; há ventos sem tranças;

há poemas que soletram a persistência;

há pedras desarrumadas, ladrilhadas em tanta berma.

amanhã, enquanto há, há-de haver um tinteiro que se escoará dos meus olhos.

 

 

 

 

Ruy de Nilo

21h11m

16/08/2007

Viana
sinto-me: Tired
música: Beatriz - Ana Carolina

publicado por Lancelote às 04:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 19 de Janeiro de 2008

Um afundar no amar-te

José M G Pereira

 

 

e quando o tempo for diferente,

rasgando espíritos, emendando pecados

terei um resguardo que me fará gente.

 

tenho em frente um firmamento que me acena eterno.

tenho gastos os olhos do tempo. poeirentos de gestos.

tenho-te assim... rebuscada em meu dentro.

 

sofrendo em bocados (fatias de vento sem tempo), iludindo o passado,

imaginando-o um futuro contigo...

rastos meus no traço, equilibrando um moinho de papel.

 

tens o cheiro do trigo entrelaçado com fumaça de trincheira.

descolando um adeus na aldraba o aceno.

é a imagem durável nos passos do pensamento.

 

hoje garatujo a razão de me ocupares no limiar de cada sensatez.

hoje tenho novo passo, nova cadência...

amedronta-me não ser capaz de sonhar um laço amadurecido por ti.

 

tu que tanto soubeste sobreviver, ser madura por mim. tu...

tu que em mim encontraste a tua urdes - eterno opiáceo.

faltou-me um soluço para mudar o embaraço da onda. faltou-me ar.

 

 

Ruy de Nilo

Viana (19h08m)

04-12-2007

sinto-me: Baço e maduro
música: Bia

publicado por Lancelote às 23:35
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quarta-feira, 30 de Agosto de 2006

O Rosto da Chuva já tem livro - Contos

Photo: Ruy de Carvalho Simões

 

Trata-se de um livro de contos sobre Angola, retratando uma realidade que eu próprio vivi, outras ouvidas, acrescentando-lhes, é certo, um inevitável tracejar de ficção e misticismo - até porque talvez não pudesse, não devesse e não quisesse fugir deste tentáculo intrínseco, em particular à cultura angolana, e em geral à cultura Bantu - , procurando retratar Etnias, zonas tribalizadas, subculturas, línguas que nos identificam como povo, níveis vários da língua portuguesa e civilizações tradicionais.

Um universo semântico cheio de tentações (e de riscos, é verdade), no intuito último de, simbólicamente, reunir essa diversidade nas mesmas fronteiras, fortificando a noção de que somos unos e indivisíveis.

De outro modo, o povo angolano, ao longo da sua curta e conturbada história, já deu provas de saber esquecer. Todavia, tal não significa ignorar. Essas histórias, agora compiladas em livro, pretendem consciencializar, recordando-nos "o quanto nos doeu o parto da paz".

Pretendi, no âmbito de uma prosa substantiva, de conotação aberta, enriquecida pela incorporação de novas palavras, estruturar uma linguagem transgressiva, ousando reinventar a língua portuguesa.

Como disse Manuel Ferreira, "esta vem sendo e continuará a ser a estrada maior dos prosadores angolanos: a criação de uma linguagem angolanizada".

 

Lançamento e apresentação: ... 23 de Setembro de 2006

Local: .............................................Feira do Livro da Amadora

Hora: ..............................................................................15H00m

 

Para adquirir o livro:

- Fnac do C. Comercial Colombo: € 14.00;

- Pelo Blog: € 11.50 + portes de envio (e-mail rfcsimoes@.hotmail.com)

 

Ruy de Nilo

 

 

sinto-me:

publicado por Lancelote às 18:40
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Agosto de 2006

O Rosto da Chuva

 

É sempre numa terra. E sempre distante da minha realidade.

Apenas está apegada ao meu imaginário por histórias com velhice e sem tempo;

com muitos contos do conto das gentes…uma terra já com história adulta.

Nessa terra cacimbada, ainda tem cheiro dos meus passos, da minha pele.

Sempre a tenho a diambular-me no pensamento.

 

Tem a minha vida sentida com o peito. Tem-me descalço.

Tem a última radiografia do meu esvoaçar no ar

 já calçado com os sonhos de dormir.

Tem o chuviscar infinito tracejado de feridas. Essa terra desconheceu a minha curvatura, mas espera por mim na gávea da espuma,

que se desembrulha no eterno abraço do mar com o meu chão.

 

Essa terra que me cabe no coração…à ela tenho uma ligação de filho.

Se ela sofre, eu sofro no calado do seu sofrimento. Ela escorre-me no respirar.

- Chegamos! Vês esta terra até ao infinito? È desta terra que vos falo.

Esta terra com casinhas vermelhas e pretas…aqui...do lado direito do mapa.

Esta é a minha terra . O que achas?...Dei-lhe o nome de "rosto da chuva".

 

 

Ruy de Nilo

11/08/2006

23h31m

(Casa)

sinto-me: Com a alma dorida! Desalmada.
música: Pixis - Whwere is my mind

publicado por Lancelote às 23:59
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Psiu

. Por trás das palavras

. Por amor

. Desencontros

. Faltas-me

. Ausência

. Enquanto há

. Um afundar no amar-te

. O Rosto da Chuva já tem l...

. O Rosto da Chuva

.arquivos

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Fevereiro 2012

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds