Sexta-feira, 23 de Julho de 2004

Movimentos perpétuos

IMG9.gif

MORREU CARLOS PAREDES, o génio da guitarra portuguesa.

Nascido a 16 de Fevereiro de 1925, Carlos Paredes cresceu numa família de músicos e aprendeu a tocar guitarra portuguesa com o seu pai, Artur, aos quatro anos, à revelia da sua que queria que aprendesse a tocar piano. O avô Gonçalo constituíu, também uma importante para o génio.

Mudou-se para Lisboa em 1934, com apenas nove anos, tendo concluído os estudos no Jardim-Escola João de Deus. Depois passou pelo liceu Passos Manuel e pelo Instituto Superior Técnico, sem chegar a terminar o curso
O início de uma longa carreira

O primeiro disco apareceu em 1957 - intitulado «Carlos Paredes» - seguindo-se uma série de bandas sonoras, até ao aparecimento do álbum «Guitarra Portuguesa», que contava com Fernando Alvim à viola.

Seguiram-se «Romance Nº 2», «Fantasia», «Porto Santo» e «Guitarra Portuguesa». O disco «Movimento Perpétuo» surgiu três anos depois, em 1971.

Chegou a estar preso durante a ditadura e durante e após o 25 de Abril tocou em vários pontos do país. No entanto só voltou a editar um disco em 1987. Antes, em 1975, Carlos Paredes toca em «É preciso um país» enquanto que o político Manuel Alegre recita poemas.

O fim da carreira

O músico e compositor conciliou a sua carreira musical com a actividade como administrativo no Hospital de S. José, em Lisboa, até à década de 90.

Em Dezembro de 1993 Carlos Paredes descobre que padece de uma mielopatia, uma doença que mais tarde o impediu de tocar guitarra.

Desde então, o génio da guitarra portuguesa encontrava-se internado na Fundação-Lar Nossa Senhora da Saúde, no bairro lisboeta de Campo de Ourique.

in "Sapo Online"

A simplicidade e ternura do homem competia ferzmente com a geniallidade do mestre que chegou a ensinar guitarra portuguesa em Coimbra, na Almedina, terra natal
O compositor e cantor Luís Cilía, que privou com Carlos Paredes, contou à TSF que ficou espantado quando chegou de Paris, altura em que conheceu o músico, e percebeu que «aquele homem genial não vivia da sua música».
Manuel Alegre destacou o «fogo dos Paredes» e o «génio singular» de Carlos Paredes.

Neste momento de dor abrasadora para um povo e uma cultura, o Governo decretou luto nacional. " Perdemos o Homem mas ficou a obra. Resta-nos esse consolo.

publicado por Lancelote às 20:46
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Psiu

. Por trás das palavras

. Por amor

. Desencontros

. Faltas-me

. Ausência

. Enquanto há

. Um afundar no amar-te

. O Rosto da Chuva já tem l...

. O Rosto da Chuva

.arquivos

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Fevereiro 2012

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds