Terça-feira, 29 de Março de 2005

Até já!

f362091p.jpg

ficou-nos a ausência de um sorriso teu
mas sabemos a recordação que também se alojou nos nossos peitos
num dia em sexta de paixão esmoreceste no frio arrepio do abandono
sei que sonhas (pelo menos acho ver-te dormir)
acredito que acordarás do susto de um pesadelo num qualquer momento

no viajar do corpo com vazio de alma
ainda acreditei ter-te…sabia que a mim enganava para que me doesse menos
um relampejo de beijo no teu rosto frio dá-me a certeza do teu adeus sem aceno
…perdi-te sem que te roubasse uma última palavra do suspiro
(confesso-te, preferi sonhar-te como sempre te tive)

contigo aprendi que somos frágeis
opulentes insensatos do fragmento em que nos tornaremos
“é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã
porque se pararmos para pensar na verdade não há…
sou uma gota de água, somos um grão de areia”

que mais te poderia pedir senão o que me deste:
a paixão, as lágrimas, o beijo e o abraço na hora do choro
que mais te quereria senão ter-te no grito e no gingar
só agora senti: sinto tanto a tua falta!
Sei que num dia qualquer, numa qualquer rua de Lisboa
me farás um aceno com cheiro de céu


Epitáfio

Dedico-te este poema pelos momentos de angústia de mãe, de conforto no desnorte do meu choro, da urgência do teu abraço na hora da minha tristeza, do sonho que me ensinaste como sonhá-lo, do pesadelo em que te aprendi como enfrentá-lo. Oh, como acreditavas na vida, Tia Zinha...
acredito que num qualquer dia, numa qualquer rua de Lisboa far-me-ás um aceno com cheiro de céu.

publicado por Lancelote às 15:57
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Anónimo a 2 de Abril de 2005 às 12:32
Muito bonito...ela dar-te-á esse aceno, tenho a certeza! Beijinhos!Patrícia
(http://www.osoldatuaalma.blogs.sapo.pt)
(mailto:crazyflower1703@hotmail.com)


De Anónimo a 2 de Abril de 2005 às 12:28
Lindo...as nossas memórias são um amparo a que recorremos nas horas de solidão e de angústia.
Quando a saudade aperta são elas que nos secam as lágrimas.
Tem um excelente fim de semana.
Tudo de bom.
PedroPedro
(http://coisasdodia.blogs.sapo.pt)
(mailto:pedromiguel.74@sapo.pt)


De Anónimo a 1 de Abril de 2005 às 16:54
Obrigada pela atençãozinha,beijinhos.Grandessusana
(http://fugirdemim)
(mailto:merhkurio@sapo.pt)


De Anónimo a 30 de Março de 2005 às 23:13
Continua a acreditar.....quando se deixa de ACREDITAR é porque a desilusão nos VENCEU e isso é imensamente negativo....Tudo de bom. Bjsdocerebelde
(http://Docerebelde.blogs.sapo.pt)
(mailto:DoceRebelde@hotmail.pt)


De Anónimo a 30 de Março de 2005 às 11:46
Meu estimado primo,quão maravilhosa descrição!parafrazeas-te com precisão o que a Tiazinha foi e é para nós.Obrigada por esse momento bonito que vivi ao ler o teu poema.Admiro-te muito.Deus te abençoe bem como a nossa querida e enesquecivel tia.Teresa Alves
</a>
(mailto:teresa_alves63@hotmail.com)


De Anónimo a 29 de Março de 2005 às 18:04
há muito tempo que não lia coisas de me comover. fico feliz por saber que há quem escreva tão bem.lobo
(http://relógiodesacertado)
(mailto:ygor118@yahoo.com.br)


De Anónimo a 29 de Março de 2005 às 16:40
Meu primo...emocionaste-me com as tuas palavras, palavras sinceras, de saudade, de recordaçao do dia mais triste da minha vida. Acredito profundamente que neste momento estará a olhar para nós, e que um dia destes nos dará um aceno com o cheiro de céu, como tu acreditas.
A tia Zinha nao foi só minha mãe e do Sergio, foi também tua, da prima Teca, da Ely, Mauricio, do Jorge... foi mãe um bocado de cada um. Foi e continuará a ser uma grande mãe, uma grande mulher, uma grande tia, grande amiga e a lista continua.
As sua qualidades eram superiores aos seus defeitos como diz a Tia Ondina.
Ela transbordava Amor.
Gostei muito do teu poema.
um beijao da prima que gosta muito de ti.ana
</a>
(mailto:fatikacruz@hotmail.com)


De Anónimo a 29 de Março de 2005 às 16:10
são as nossas lembranças que nos aquecem nas noites frias de inverno,e nos refrescam quando o calor nos sufoca..ter alguém e depois constactar que nunca mais lhe vamos sentir o cheiro,o toque,e nunca mais teremos esse alguém para nos abraçar,nem para nos dizer um simples "deixa lá!" que teria tanto sentido..deixa-nos secos e sentimos ódio..pk??tanta gente má no mundo,e só as pessoas que realmente nos amam e nos fazem falta,se vão..
Tens muito sentimento nas tuas palavras..beijinhosusana
(http://fugirdemim)
(mailto:merhkurio@sapo.pt)


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Psiu

. Por trás das palavras

. Por amor

. Desencontros

. Faltas-me

. Ausência

. Enquanto há

. Um afundar no amar-te

. O Rosto da Chuva já tem l...

. O Rosto da Chuva

.arquivos

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Fevereiro 2012

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds