Sábado, 14 de Agosto de 2004

Czeslaw Milosz - Conversação com Jeanne

milosz1small.gif

Deixe-nos não falar a filosofia, deixe-os cair, Jeanne.
Assim muitas palavras, assim muito papel, que pode o estar.
Eu disse-lhe a verdade sobre meu distanciamento.
Eu parei preocupar-se sobre minha vida distorcida.
Era não melhor e não mais mau do que as tragédias humanas usuais.

Por sobre trinta anos nós temos empreendido nossa disputa
Como nós agora, no consolo sob os céus dos trópicos.
Nós fujimos de uma tempestade, em um instante o sol brilhante outra vez,
E eu cresço combalido, confuso pela essência esmeralda do me ser.

Nós submergimos na espuma na linha do surf,
Nós nadamos distante, a onde o horizonte é um sopro do arbusto da banana,
Com os moinhos de vento pequenos das palmas.
E eu estou sob o a acusação: Que eu não me sou até parte de mim,
Que eu não exijo bastantes de mim mesmo,
Porque eu poderia ter aprendido dos jaspers de Karl,
Que meu descernimento para as opiniões desta idade cresce frouxo.

Eu rolo em uma onda e olho as nuvens brancas.

Você é direito, Jeanne, eu não sei importar-me com a salvação da minha alma.
Alguns são chamados, outros controlam assim como podem.
Eu aceito-a, o que considero me é justo.
Eu não finjo à dignidade de uma idade velha sábia.
Não translado as palavras, eu escolhi meu repouso em o que é agora,
Nas coisas deste mundo, que existem e, para essa razão, deleitam-nos:
A nudez das mulheres na praia, no balanço caminhante de seus peitos,
Hibiscus, alamanda, um lírio vermelho, devoro
Com meus olhos, bordos, lingüeta, o suco do guava, o suco da ameixa seca de Cythère do la ,
Rum com gelo e syrup, lianas-lianas-orquídias
Em uma floresta de chuva, onde as árvores estejam nos estiletos de suas raizes.

Morte, você diz, minha e sua, mais perto e mais perto,
Nós sofremos e esta terra pobre não era bastante.
A terra roxo-preta dos jardins vegetais
Esteja aqui, olhado ou não.
O mar, como hoje, respirará de suas profundidades.
Crescendo pequeno, eu desapareço no imenso, mais e mais livre.

Guadalupe

publicado por Lancelote às 14:30
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Psiu

. Por trás das palavras

. Por amor

. Desencontros

. Faltas-me

. Ausência

. Enquanto há

. Um afundar no amar-te

. O Rosto da Chuva já tem l...

. O Rosto da Chuva

.arquivos

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Fevereiro 2012

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds