Terça-feira, 26 de Abril de 2005

Epístolas da terra para o céu com amor II

1.jpg
By Marco Barsanti

No sexto andar, Enfermaria B
Mariazinha

Ao levar-te a sopa e almoçar contigo todos os dias, sentia-me a Mãe Olívia amamentando-te sem leite.
Quando o Fausto chegasse eu sentia-me a mãe mais feliz ao vosso lado.
Agora só vejo o Fausto e tu onde andas?
Hoje dia 25-04-05 lembrei-me que há um mês que estás sempre comigo. Desculpa-me minha querida irmã, não ligues. Esta tua mana velha já tem a mente queimada pela idade. Quanta saudade!

Dina

Assim me foi dada, a palavra escrita com dor da tua mana mais velha. Dor que ela sente por quem partiu prematuramente.
Ainda te dizemos adeus, Tia Zinha, como se ainda estivesses ali, prestes a cruzar a soleira de uma qualquer eternidade que sabemos sem retorno.

Ruy

publicado por Lancelote às 22:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 25 de Abril de 2005

Epístolas da terra para o céu com amor

4.jpg
By Marco Barsanti

Querida Mariazinha

Sei que não me ouves, sei que não me vês, mas a esperança de te voltar a ver e ouvir-te é uma realidade que a palavra de Deus promete.
As lágrimas nos nossos rostos ainda correm e, a lembrança de quando tinhas, 8, 9, 10 anos está sempre presente porque era eu que cuidava de ti, que te cortava o cabelo, e te vestia para ires para a escola....

Da mana velha
Dina



Nós temos cinco sentidos: são dois pares e meio d'asas.
David Mourão Ferreira


É essa crença de que alguns passam pela nossa vida deixando uma indelével e inolvidável marca, que nos faz acreditar serem anjos que coabitaram em nosso peito, lado à lado com o pulsar do coração. Essa certeza, faz com que a boa lembrança de quando eras "humana", amanse a nossa dor.

PS: Ontem, mesmo no atarefado do dia, vi o teu aceno com cheiro de céu.

Ruy

publicado por Lancelote às 07:44
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 21 de Abril de 2005

Quanto do que nos demos valeu a pena?

fa04_t.jpg
by Vincent Obyrne

quantas vezes relembrei-te em versos já esbatidos
escritos em guardanapos de papel
na mesa de um café qualquer?

quantas vezes procurei-te e no espelho não me encontro?
quantas vezes fui estranho em mim para mim mesmo
mesmo vivendo nas margens desta folha de papel

e num arrastar vagabundo
qual folha seca de outono
lentamente pousando no chão
ainda tento saber...

quantas vezes protestei mas com o tempo desisti,
sou proscrito neste amor
numa redoma me fechei

quantas palavras no tempo, à toa para o vento,
em ambígua esperança,
num futuro incerto mas de um presente confiante

quantos olhares cativantes
em relâmpagos de beijos-correio,
em caminhos sinuosos de abraços estonteantes

quanto de nosso corpo, nossa vida
dado por um princípio, um instante apenas,
que à qualquer custo as nossas gargantas gritam para atingir esse fim

(e revejo o álbum da minha)

quantas dúvidas e incertezas
quantas incursões às cegas,
nos caminhos nunca antes percorridos do teu corpo nú

quantas vezes renasci
nos orgasmos aflitos, numa cama perdida
de um quarto, só nosso por horas, à soleira deste mundo

e fito-me atado ao tempo
questionando o meu futuro-presente
que foi o meu passado...e recordo sorrindo

...o fumo nos pulmões de cigarros pensativos
com sentimentos afogados
em mais bebedeiras sem sentido

as telas na mente e as canções no peito,
a tinta jogada ao acaso em paredes de cal
mas que em nosso pensamento formava um quadro perfeito

as lágrimas ferventes caídas num chão de gelo,
os passos trémulos com medo do abismo,
o caos dos meus neurónios imaturos.

e numa despedida tácita,
novamente pergunto-me:
será que valeu à pena?

as vezes em que substutuímos baionetas por bouquetes de rosas vermelhas,
as vezes em que fizemos da guerra amor
sob lençóis bordados de paz?

as vezes em que entregamos os nossos corpos
à gélida chuva de inverno
em nome de algo louco, puro...único?

então porque te tenho na solidão da minha voz
ao pronunciar baixinho o teu nome,
no luto da minha dor, a existência da tua ausência?

amanheci o rosto sem reluzência, o que é próprio dos opacos notívagos
e no cristalizar de uma lágrima minha entre o côncavo de duas pétalas fingindo-se mãos,
senti que valeu a pena, tão só por aquele quase sentir de abraço me envolvendo a mágoa.

27/10/1995

Lisboa

03H40m


publicado por Lancelote às 21:43
link do post | comentar | favorito
Domingo, 10 de Abril de 2005

Íntimos contrastes

f539055.jpg
A Brito

Arrependi-me de tantos nadas que assumi, de tantos até já que não disse
Arrependi-me de tantos “nãos” com “sins”, de tantos encostar de lábios aspirando beijos
Arrependi-me de tanto negar querendo
de tanto adormecer com sonho em sonho negado

Arrependi-me de arrepender-me de dizer-te que arrependi-me de querer-te
Arrependi-me querer-te azul,
acreditar seres céu quando no fundo sabia teres os olhos castanho-terra
…e eu que não soube ter os pés na terra…!

Flutuei sem asas que me sustentassem…
que imprudência foi não saber como parar,
como aprender a não te amar no limite do excesso

Arrependi-me sonhar-te frágil.
Aquela mesma fragilidade que me estilhaça as palavras
Arrependi-me de transportar uma caneta…
Porque é que não se lhe esgotou a tinta?

Arrependo-me de te escrever este poema
É a fraqueza que aniquila a força que te mostrei existir em mim.
Arrependi-me de dizer que não foi bom, mesmo sabendo que o corpo se arrepiou.

Arrependi-me de te dizer que o amor ainda é jovem
quando sei que o coração envelhece com o mesmo amor, esse mesmo que ama na juventude.
O sentimento ainda lá mora, sabias? Então como não envelhecer com amor?

Arrependi-me das bebedeiras para esquecer.
Até porque ao final de todas elas, tive um despertar com a certeza
que tinham sido para que me lembrasse que eram com a intenção de te esquecer.
Então como esquecer-te?

Que imprudência foi amar-te tão desalmadamente, sem saber assumi-lo.
Que mal me faria assumi-lo!?
Talvez até te enfastiasse tanto amor, talvez!
Mas não! Preferi negar-te, mantendo-te minha no mais íntimo (também como poderias saber se sempre o neguei?)

Agora, porque será que te escrevo se sempre te pedi que me deixasses?
Ah, com quanta ligeireza propus-me confessar não te amar…


publicado por Lancelote às 03:38
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 3 de Abril de 2005

João Paulo II - O obstinado de Deus

gpii_index.jpg


Não sou um crente católico nem professo qualquer outro tipo de ideologia religiosa.
Neste momento, pretendo apenas homenagear e, junto de todos os crentes, em especial os católicos, expressar o meu pesar pela perda de Karol Wojtyla enquanto líder da igreja católica. Isso pelo grande homem que foi e que perante o mundo demonstrou a sua força de querer, a sua crença de um mundo melhor, um mundo mais solidário, mais humanizado; pelo homem que teve a coragem de elevar a sua voz crítica contra o comunismo opressor mas também contra o capitalismo inumano; pelo seu esforço ecuménico de coexistência entre todas as religiões numa esperança de comunhão pacífica entre todas; pelo homem que deu uma prova rara de entrega, de carácter e de esperança que algo de melhor e originalmente humano ainda poderá ser recuperado, rebuscado ou apenas simplesmente descoberto em nós. Para esse homem, que em determinada altura foi Papa, um obrigado pelo que nós, humanidade, aprendemos e recebemos dele.


O Santo Padre
O Romano Pontífice, como sucessor de Pedro, é o perpétuo e visível princípio e fundamento da unidade quer dos Bispos quer da multidão dos fiéis.
LUMEN GENTIUM, 23


publicado por Lancelote às 01:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Psiu

. Por trás das palavras

. Por amor

. Desencontros

. Faltas-me

. Ausência

. Enquanto há

. Um afundar no amar-te

. O Rosto da Chuva já tem l...

. O Rosto da Chuva

.arquivos

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Fevereiro 2012

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds