Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

Por amor

 

 

Deixa a noite escorregar nesse vão de breu azul.

Deixa o tempo esvair-se nesse ralo de tempo.

Deixa que cada gota seja um dilúvio em teus braços.

 

Quando chegar a dor eu vou sorrir de amor.

Vou voar no mundo e adormecer nos teus lábios.

Roubar momentos. Trajar o anoitecer no delinear dos teus olhos.

Adormecer pecados. Traçar as rotas de amar-te. Morder-te os seios.

 

Deixa que eu te alveje por dentro. Te ame como errante.

Deixa-me rastos que te almejem.

Deixa o vento ludibriar-nos à mesa e acostumar-nos aos contos,

porque hoje tem um luar que luareja em demasia.

 

‘’Se te amasse como vivo por te alcançar

O sol tardaria todo amanha’’.

 

 

RdN

Luanda

21.02.2012

00h22

 

Para a Candy… minha mulher. Minha vida!

 

 

 

sinto-me:
música: Tom Jobim: Desafinado

publicado por Lancelote às 21:50
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2012

Desencontros

Desencontros

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Autor: Antonio Ramos

 

 

Tanto me almejei que abdiquei de uma paixão por um grande amor.

De tanto me alhear perdi a poesia.

Escorregou-me pelo furo da algibeira.

Talvez nas valetas por onde andei.

Talvez por tanto amor em tao pouco desamor. Do peito só um suspiro. 

 

Descasquei-me de outra vida. Repeti-me em palavras.

Moldei-as entre os dentes.

Enrosquei-me, bem juntinho, ao pé do mundo.

Amadureci o rasto que me deixou o teu piscar de olhos.

 

Por tanto tempo andei em contramão em direcção a mim.

 

Nada foi tão verdadeiro como a paixão pela poesia e os poemas.

Nada é tão doloroso como a mímica das palavras.

A irreverência do súbito.

Nada é tão obstinado como a palavra que transparece a alma.

Que decalca o contorno.

 

Na paixão nada é  tão abrupto como a busca.

Nada é  mais longe que a quietude do silêncio.

Então de onde me vem tanta solidão?

Tanto de mim comigo que só existo eu em mim?

 

À cada sorriso, por viver um grande amor é com menos dor que me dou por paixão.

 

Já e tarde.

Os frangalhos de galhos gemem o vagaroso do vento, vacilando o gesto.

Será que é por dentro que me escrevo ou apenas me ausento lento?

Já me basta. É tua a madrugada que ameaça chuva.

É tua a lágrima que escorregou o rímel.

 

São teus os pedaços de tempo que envelheceram as palavras,

que enrugam os anos. Sou teu.

Serão  teus os beijos que profiro nos versos.

Serão tuas as madrugadas que vigio.

 

Por quem mais vou tão longe?

 

Ruy de Nilo (RdN)

14.02.2012

00h45m

Zango

sinto-me:
música: Depeche Mode

publicado por Lancelote às 00:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

 

.Dezembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Psiu

. Por trás das palavras

. Por amor

. Desencontros

. Faltas-me

. Ausência

. Enquanto há

. Um afundar no amar-te

. O Rosto da Chuva já tem l...

. O Rosto da Chuva

.arquivos

. Dezembro 2014

. Julho 2014

. Fevereiro 2012

. Outubro 2008

. Maio 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs

.subscrever feeds